Como Dora & Diego podem ser seus parceiros de trabalho na estimulação da linguagem de seu filho(a) autista.


Dora e Diego são dois primos que dançam, cantam e salvam os animais. Cada um tem o seu próprio desenho animado mas, às vezes, compartilham da mesma aventura. No original, Dora e Diego falam inglês e espanhol. Exibido aqui pelo canal Nickelodeon, eles falam inglês e português.
Os dois desenhos têm o mesmo formato, mas das crianças autistas com quem trabalhei no último semestre, todas elas, ou seja, 100% delas eram loucas por Dora. E se analisarmos a estrutura da estória, vamos encontrar os motivos pelos quais essa fascinação é possível.
Dora começa cumprimentando seus telespectadores e interage com eles. Mas como as crianças autistas podem gostar do desenho se interação social é um dos maiores déficits da síndrome? Acontece que toda vez que Dora faz a pergunta, aparece uma dica visual, uma seta que pisca ao mesmo tempo em que o som do clique de um mouse é ouvido. A criança é forçada a se guiar pela seta e achar a resposta. Essa é a dica que chama a atenção do nosso telespectador.
Quando Dora e Boots (Botas, em português), seu macaquinho, têm dificuldade de achar o caminho a seguir eles chamam pelo Map (Mapa) que tem uma música para sua apresentação tocada em todos os episódios. O Mapa repete o itinerário cinco vezes. Para chegar no seu destino final, o mapa mostra três obstáculos que são iluminados a medida em que são nomeados. Essa parte do espisódio é bastante visual e é feita da mesma maneira todas as vezes.
Por três vezes na estória, Dora precisa da ajuda dos telespectadores e sempre dá uma dica verbal “Say...”( “Diga...”) que é muito comum nas sessões de terapia de ABA.
Outro personagem que aparece uma vez no episódio com 5 itens para ajudar Dora na sua aventura e a Backpack (mochila). Os objetos aparecem em volta da mochila e esta pede ajuda dos telespectadores para decidir qual objeto vai ser mais útil para Dora. A seta aparece mais uma vez com o som do clique do mouse para auxiliar os telespectadores a saber o que vai ajudar Dora.
O desenho é interessante porque convida as crianças a participar e a interagir. As crianças são obrigadas a prestar atenção em todo episódio. Tem uma música curta e cheia de repetição e bastante detalhes.
Se sua criança também gosta de Dora, existem várias maneiras que você trabalhar suas aventuras. Você, pai ou terapêuta, pode trabalhar o desenho animado nomeando os bichinhos que aparecem, simplesmente ir falando as coisas que vão aparecendo para aumentar o vocabulário, ou até mesmo trabalhar a atenção conjunta com frases: “Olhe! Estou vendo...” e encourajar a criança a dizer uma frase de volta a você do mesmo jeito “Olhe! Estou vendo...” para trabalhar discretamente a reciprocidade de uma conversa. Você pode trabalhar imitação quando Dora e seus amigos estiverem cantando. E ainda pode usar da tela do seu televisor para mostrar objetos e apontar para a TV.
Usar os desenhos para aprimorar a linguagem de seu filho autista e estimular a comunicação é uma ótima idéia. Todas as ajudas podem ser depois retiradas para que seu filho (a) participe das interações com você de forma mais independente. Transforme a televisão num parceiro de trabalho e aproveite!!!

5 comentários:

Profe Elis disse...

Olá Patricia, trabalho com alunos autistas com Informática Educacional.Lendo esse seu último post me convenci do quanto as ferramentas tecnológicas são importantes no desenvolvimento da linguagem da criança autista. No meu blog indico alguns softwares bem bacanas que podem seu usados entre alunos com a síndrome. Muito interessante seu espaço, vou adicioná-lo aos meus favoritos.
Abraços

Elis disse...

Oi Patricia, tem um premiozinho pra vc lá no Sobre Educação.
Abraços.

gisele.artes disse...

Oi, meu nome é Gisele e tenho um blog de dicas para pais de brinquedos e coisas legais - não violentas- para crianças...tomei a liberdade de colocar seu blog nos meus LINKS. Gostei muito do seu blog...Eu trabalhei três anos e meio com crianças com necessidades especiais (várias síndromes raras, e deficiências menos graves)ministrando aulas de arte, hj só sou mãe...mas dá o dobro do trabalho! Enfim, adorei seu trabalho, estarei te acompanhando! abraços!

aprendocriando disse...

Olá Patrícia,
Trabalho em uma escola onde existe o curso normal médio.
Gostei muito do seu blog e vou indicá-lo aos professores e alunos.
É muito importante encontrar sugestões de como trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais, e os cursos de formação de professores e a formação continuada são omissos ou carentes neste ponto.
Abraços!

maria disse...

Patricia, como entro em contato com vc, tenho um filho autista e gostaria de uma consulta em terapia ABA